Sobre o dia em que colei grau de pijama

É errado demais dizer que achei melhor assim? Sabe, confortável. Sem aquela parafernália toda de beca, chapéu, canudo, salto, roupa preta, social. Antissocial, não, pare. Não sou obrigada a levar rótulos só porque, bem, evitei a fadiga, a coisa toda de levantar, sorrir, andar, apertar a mão, andar, acenar, sorrir para a foto, andar, sentar. … Continue lendo Sobre o dia em que colei grau de pijama

As Cidades Invisíveis, de Ítalo Calvino

O comentário da vez vem atrasado – e isso não é um pedido de desculpas. Fiquei presa na sala de embarque, o voo atrasou e a internet do aeroporto não estava funcionando muito bem. Fiz uns rabiscos em um caderno que sempre levo comigo para não perder as ideias. Infelizmente, também se perderam depois da … Continue lendo As Cidades Invisíveis, de Ítalo Calvino

Das coisas guardadas: sobre trazer à memória aquilo que me dá esperança

Tenho o costume de guardar boas memórias em locais de fácil acesso, mesmo que eu esqueça que elas estão lá. Encontrá-las é ter a sensação de por a mão no bolso e achar dinheiro por acaso, sabe? Pequenas surpresas podem gerar grandes sentimentos. Sei que se se eu abrir a segunda gaveta do meu criado-mudo … Continue lendo Das coisas guardadas: sobre trazer à memória aquilo que me dá esperança