Mais um texto sobre o tempo

Não vejo a necessidade de me desgastar em um texto muito longo hoje. O excesso de palavas seria apenas um capricho, a ruminação de uma ideia totalmente gasta. Vejo o trabalho de escrever como perda de tempo neste dia em que, ironicamente, só consigo pensar sobre esse tal passar de horas e anos.

Pode ser que isso seja só mais uma fase. Afinal, nós, pessoas jovens, somos cheias delas. Contudo, posso, também, enxergar esse tal do tempo escorrer pelos vãos dos dedos. Acredito que esse seja um pensamento que abrange um pouco mais que um momento, e às vezes se torna a percepção de uma dura realidade, ou toma a forma de apenas mais um monstro que mora embaixo da sua cama.

Seja por causa da pressa, da impaciência, do cansaço, do tédio, da saudade… Sempre existe um motivo para arranjar uma briga com ele. Desde motivos mais reflexivos, como o fim de uma época, à situações mais triviais, como ao esperar sua comida ser esquentada no microondas.

O relógio se movimenta e a gente se surpreende. É como se ele risse da gente. Fico pensando como seria se nós tivéssemos mais coragem e ríssemos dele também…

(Às vezes parece que eu só escrevo sobre o tempo. Socorro)

Anúncios

O que fazemos (parte 2)

Quando nos achamos tão inteligentes, devemos lembrar que nem conseguimos entender o que é o amor. Podemos explicar porque as frutas caem das árvores e como se fazem os dias e as noites, mas não conseguimos conceituar o que é amar.

Pior do que não conseguir falar sobre algo é não poder realizar este ato. Aliás, pior ainda é pensar que se sabe quando não há conhecimento algum. Deixar-se enganar pela futilidade com que tratam o assunto e acreditar que não passa daquilo que se vê. Conformar-se com a situação do mundo, estar anestesiado pelos grilhões da falta de consciência.

Quero dizer, se realmente amássemos as pessoas à nossa volta, como nos comportaríamos? Se fizéssemos isso, acredito que teríamos uma postura bem diferente. Afinal, se amássemos o outro como a nós mesmos não seríamos capazes de fazer mal a ele.

Dessa forma, o amor não seria só um sentimento, mas uma atitude, um modo de viver. Algo que envolveria a todos como um abraço invisível e impossível de se libertar. Seria mais denso que uma simples palavra, e embora tão difícil de se compreender, suave. Seria único e indestrutível.

O amor que tanto procuramos deveria começar com “A” maiúsculo.

“Portanto, agora existem estas três coisas: a fé, a esperança e o amor. Porém a maior delas é o amor” 1.Coríntios 13.13

Quer acompanhar o blog? Facebook/Twitter

Link para o texto “O que fazemos”

Separados pelo espaço e tempo

Foto de Paulo Otávio Diniz Rodriguez

Foto de Paulo Otávio Diniz Rodriguez

Algumas pessoas a gente nunca esquece.

Sigo em frente com minha fria rotina, mas não consigo evitar pequenos detalhes que me fazem lembrar daqueles momentos tão especiais. Na época, considerava mais um dia vivido. Agora, no mundo das lembranças, algo cheio de sentido.

Todas as risadas, piadas, besteiras e dramas alimentados pela intensidade de uma fase formam essa nuvem de nostalgia. O que um dia era motivo de grande ansiedade, torna-se apenas uma memória antiga.

A saudade chega, mas eu entendo que tudo deve permanecer onde está. Cada um encontrando o seu lugar. Uma corrida rumo a assuntos que podemos um dia ter até discutido sobre. A realidade chegou e temos que correr. Mesmo que isso signifique um “pra sempre” sem te ver.

A prova de que a amizade é verdadeira está no meu sorriso quando vejo que algo deu certo para você. Alegro-me com cada vitória sua, apesar de não estar presente quando elas vêm a acontecer.

Desejo que você viva plenamente, desfrute de toda alegria eterna.

(Uma homenagem a todos os amigos que passaram pela minha vida)

Quer acompanhar o blog? Facebook/Twitter

Cabelo cacheado: minha história

2 (1)

Lembro-me de muitas reflexões feitas por mim quando era criança, acerca do meu cabelo. Na minha turma, era uma das únicas meninas com cabelo cacheado, e isso parecia um pouco estranho. Afinal, as outras podiam pentear o cabelo quando quisessem e fazer penteados que nunca ousaria. Como eu queria passar o tempo penteando meu cabelo! Por causa disso, posso dizer que minha autoestima era bem frágil durante a infância, apesar de não admitir. Não me sentia confortável com o fato de os outros serem capazes de ver fraqueza em mim.

Enquanto crescia, essa questão me perturbava e fazia com que me questionasse quanto ao motivo daquilo tudo. Por que as pessoas “bonitas” sempre tinham cabelo liso? Por que a maioria dos personagens legais da TV tinha o cabelo liso? Por que quando alguém passava por uma transformação na aparência mudava o cabelo do cacheado para o liso? Por que chamavam o cabelo cacheado/crespo de “cabelo ruim”? (Nisso, eu me sentia profundamente ofendida). E até, por que a Mia, do Diário da Princesa teve que ficar com o cabelo liso em vez de simplesmente arrumar o cabelo cacheado dela? Amo o filme, mas essa pergunta realmente martelava a minha mente.

Mesmo questionando tanto o assunto, não conseguia me sentir melhor. Ouvia muitos “seja você mesmo” por todos os lados, mas tudo parecia uma grande contradição. Se eu tinha que ser “eu mesma”, por que parecia existir certa pressão em me parecer com os outros, seguir um ideal?

Quando tinha uns doze anos, muita gente que eu conhecia estava fazendo alisamento e seguindo um comportamento em comum. Foi a época em que mais me senti deslocada e deprimida. Queria ser eu mesma, mas parecia errado. Com isso, o dilema do cabelo se intensificou. Até porque, na época, ainda não sabia como cuidar do meu cabelo, e nem tinha quem me ensinar.

Resisti por dois anos e finalmente me submeti a um processo químico com o objetivo de reduzir o volume do meu cabelo. O resultado era liso em cima, com alguns cachos embaixo. No início, amei. No entanto, cabelo cresce, e não é só porque você alisou que seu cabelo vai deixar de ser cacheado. A raiz crescia e eu tinha que dar um jeito naquilo, ou ficaria com uma aparência muito estranha.

Foi um período em que eu me sentia escravizada. Presa pela aparência. Não podia sair em um dia de chuva sem me preocupar com o cabelo. Era muito estressante e desnecessário. Uma espécie de sofrimento que eu mesma me impunha.

No meio de 2012, era hora de repetir o mesmo processo. Contudo, enquanto me olhava no espelho do salão, percebi que eu não queria mais aquilo  para mim. Não era certo colocar um estereótipo, um modelo, um modo de pensar que me fazia tão mal à frente da minha vida. Passaria a me ver como sou, trabalharia para ser a menina que Deus criou e não o que o mundo inteiro achava certo. Então, prometi a mim mesma que não faria aquilo novamente e tentaria usar o meu cabelo natural. Até porque estava com muita saudade de vê-lo.

A mudança interior foi fundamental para que existisse uma mudança exterior.

Em 2013, passei por transição capilar, o que não foi tão difícil para mim, porque meu cabelo não estava liso e sim, ondulado. Mesmo assim, tinha uma aparência um pouco estranha e não sabia muito bem o que ia sair daquilo. Apesar disso, valeu muito a pena. Aprendi que cabelo cacheado pode ser muito prático, comecei a me sentir livre e mais tranquila.

Aliás, não estamos apenas falando sobre cabelo aqui. A aceitação pessoal que tudo isso envolve é a questão principal. Sair de um lugar escuro para usufruir da luz. Quem eu era não imaginava que algum dia teria tanta confiança em simplesmente ser quem é. Com isso, aprendi a viver o “seja você mesmo”. Se fosse só cabelo, nem valeria a pena.

Tentei resumir ao máximo um pouco do que vivi nos últimos anos. Poderia escrever muitas páginas sobre isso, e provavelmente escreverei.

Só vamos deixar uma coisa bem clara aqui: cabelo cacheado/crespo não é ruim. Não existe cabelo ruim.

Quer acompanhar o blog: Facebook/Twitter.

(Um agradecimento especial a Rayza Nicácio, que possui um canal lindo que apareceu na hora certa)